Uma verdadeira pechincha

17 01 2010

Dá-lhe gozo ouvir a conversa do casal que está ao seu lado e pensar «ainda bem que há mais gente com os mesmos problemas que eu»?

Aprecia o cheirinho a queijo derretido e  comida crocante, acompanhada por um saboroso refresco?

Gosta de estar a par das últimas novidades em telemóveis e toques reais ou polifónicos?

Suspira com nostalgia ao ver criancinhas a correrem alegremente de um lado para o outro, completamente alheias ao que as rodeia?

Interessa-se pela vida animal e por observar os comportamentos selvagens dos diferentes espécimes num contexto comunitário?

Diverte-se com o desafio de, quando está em público, filtrar todos os ruídos supérfluos e concentrar-se apenas num determinado som?

Gostaria de ter tudo isto reunido num só espaço e desfrutar de uma experiência única?

Não procure mais! Por apenas 6 euros, damos-lhe o prazer de usufruir de todas estas sensações em conjunto, durante cerca de 2 horas (com um pequeno intervalo sensivelmente a meio).

Mas não é tudo. Como sabemos que é nosso cliente fiel, oferecemos-lhe ainda, sem qualquer custo adicional, UM ESPECTACULAR FILME!

Num cinema Lusomundo perto de si.

Contamos com a sua visita.





Eventually… não é eventualmente!

15 01 2010

Os atentados à nossa querida língua têm sido um fenómeno cada vez mais recorrente nos tempos que correm. Desde erros de concordância de tempos verbais a perguntas mal estruturadas, passando pelo uso incorrecto dos clíticos (admito que este possa ser o mais complicado de explicar, mas, mesmo assim, não justifica tudo), por alguma razão estranha é cada vez mais raro encontrarmos um texto que não contenha um ou outro erro crasso.

Este descuramento tem sido particularmente visível em legendagem, nomeadamente nos canais de TV cabo dedicados a séries e filmes, com principal destaque para um de três letrinhas, que não é o FOX, mas também tem um X lá pelo meio.

Deixemos de parte as legendagens que parecem, descaradamente, ter sido feitas por brasileiros a tentarem escrever o nosso português (ou então, foram feitas por portugueses que já viram demasiadas telenovelas brasileiras e se esqueceram de ir passando os olhos pela literatura nacional).

Deixemos também de parte os erros de concordância de tempos verbais, os erros nos clíticos, ou até mesmo a má utilização de certas expressões idiomáticas.

Centremo-nos naquelas legendagens que até cumprem com as regras do nosso português, que não têm erros de forma nem de estilo, mas que caem em certas armadilhas, precisamente, da tradução, reflexo de alguma falta de cultura relativamente  à língua inglesa, bem como à língua portuguesa.

Já todos devemos ter ouvido as piadas com o inglês «constipation», que não se traduz por «constipação», mas sim por «prisão de ventre». O problema é que, frequentemente, somos apanhados na curva com outras situações em que o termo em inglês é extremamente parecido com o termo em português, mas o significado é bastante distinto.

Um dos casos que mais tenho visto recentemente é o da palavra «eventually», que agora surge quase sempre traduzido por «eventualmente». Leiam bem as definições. Poderão parecer relacionadas, mas o significado é bastante diferente. Em português, algo que «eventually will happen» deverá ser traduzido por algo que «acabará por acontecer», independentemente das condições – diferente de algo que «acontecerá eventualmente», dependendo das condições.

É grave? Não diria tanto. Considero piores outros erros grosseiros que se vêem amiúde em legendagem. Só começa a tornar-se preocupante quando vejo pessoas do meu convívio a utilizarem, em português, «eventualmente» com o significado de «eventually». Aí, sim, penso na facilidade com que vamos sendo influenciados pelo que lemos e na responsabilidade que tem um tradutor/legendador perante a sua cultura e perante aqueles que vão ler (e, portanto, aprender/apreender) o seu trabalho.

Só se pede um pouco mais de atenção para a próxima (e mais zelo por parte das agências de tradução e legendagem, com prazos mais simpáticos e menos forretice – o trabalho bem feito merece ser bem pago).

Fica aqui mais um par de exemplos que podem ser ratoeiras:

– Foreman (em contexto de tribunal) – para além de ser um nome próprio, se pedirem que o/a Mr./Mrs. Foreman se pronuncie, estão a pedir que o/a porta-voz do júri se pronuncie.
«Mr. Foreman, has the jury reached a verdict?» será algo como «Sr. porta-voz, o júri chegou a um veredicto?»

– Actual – em português, significa que é do tempo presente, ou que está em actividade ou exercício; em inglês, significa que é verdadeiro, real.
«The actual meaning of…» é «o verdadeiro significado de…» e não «o actual significado de…».

– Ingenuity – significa «engenho» e não «ingenuidade» (salvo RARÍSSIMAS excepções, eventualmente em inglês arcaico).

– Compass – significa «bússola» e não «compasso».

Nota: o autor do post tem alguma mania, é certo, mas também sabe que não é infalível. Simplesmente acha que há situações que são intoleráveis, gritantes, e que, aparentemente, estão a ser completamente ignoradas.





O que é feito do Panda?

27 11 2009

Cá está, «vivo e pontapeando», como diziam os Simple Minds.

Porquê a ausência? Porque me vi forçado a prolongar o período de hibernação para além do esperado. Fui acometido de um ataque de preguicite aguda (foi típico da época), mas felizmente já passou.

Podem, portanto, encher-se de júbilo e quebrar todas a chain-letters que enviaram a perguntar se alguém tinha avistado esta fofa criatura que agora volta a preencher as vossas vidas.





Aos condutores da A1…

5 03 2009

steering_wheel_cover-copy

… da A1 e não só. A uma grande parte dos condutores portugueses, no fundo.

Apresento-vos o sinal indicador de mudança de direcção, mais conhecido por pisca-pisca.

Para que serve? Penso que o nome oficial diz tudo: SINAL INDICADOR DE MUDANÇA DE DIRECÇÃO.

Descrição do sistema:
alavanca colocada por trás do volante, do lado esquerdo (assinalada com um círculo verde na imagem).

Modo de funcionamento:
pressionar a alavanca para baixo, se for virar para a esquerda;
empurrar a alavanca para cima, se for virar para a direita.

Quando utilizar:
sempre que esteja iminente uma mudança de direcção (entrada numa faixa de desaceleração, saída de uma faixa de aceleração, mudanças de faixa, ultrapassagens).

Como utilizar:
1 – olhar para o lado para onde se pretende virar;
2 – verificar pelos retrovisores se nenhum outro condutor vai surgir de repente no espaço para onde estamos a pensar virar;
3 – accionar o sinal indicador de mudança de direcção;
4 – contar um… dois… três segundos… e efectuar a manobra.

ATENÇÃO:
– à velocidade dos veículos que estão à sua volta (à frente, aos lados, atrás); se está ao volante de uma viatura, certamente sabe que leva tempo, e, consequentemente, metros, a parar ou, pelo menos, até reduzir a velocidade da máquina se surgir algum obstáculo (O SEU LIGEIRO, BICICLO, OU PESADO) no caminho;
– a atitute subjacente ao aviso de mudança de direcção não deve ser “DESVIA-TE, SE NÃO QUEREM LEVAR COMIGO EM CIMA”, mas sim “CUIDADO, EU VENHO AÍ, NÃO VENHAM PARA CIMA DE MIM”.

Lembrem-se que os outros condutores não adivinham o que vos vai na cabeça (a maior parte das vezes, a julgar pelas atrocidades que se vêm, é apenas uma grande quantidade de vácuo)… E QUE A PORRA DA ESTRADA NÃO É SÓ VOSSA =/





HEATH LEDGER – Uma homenagem merecida

12 01 2009

Foi com grande agrado que recebi a notícia da atribuição do Globo de Ouro a Heath Ledger, a título póstumo, pelo seu desempenho como Joker no filme O Cavaleiro das Trevas.
Acho até que, se não lhe fosse atribuído qualquer prémio (ainda faltam os Óscares, é certo) seria muito injusto. Não posso dizer que tenha visto os outros filmes todos que concorreram à mesma categoria (Melhor Actor Secundário), pelo que não posso dizer que os restantes actores não mereceriam ganhar. Mas o que é certo é que a actuação de Ledger enquanto Joker é de uma qualidade impressionante.

Não sou nenhum cinéfilo, mas não me lembro de muitos filmes em que o actor secundário suplante completamente o actor principal. E o que é certo é que a prestação de Heath Ledger em O Cavaleiro das Trevas ofusca, sem margem para dúvidas, a de Christian Bale.

Fica aqui o registo do momento e o meu aplauso a Heath Ledger (for what is worth)





Anúncio da cerveja Guinness

29 12 2008

Reconheço que o anúncio tem o seu quê de criativo e admito que até sorri ao ver o vídeo… mas não estarão os criativos da publicidade a esticar-se um bocadinho?

http://www.spike.com/video/guiness-good-times/3010529

(sorry, não consegui pôr aqui o vídeo directamente; e é possível que tenha um videozinho publicitário curto antes)





Coisas que as mulheres nunca dirão.

29 12 2008

Vi a seguinte lista num site estrangeiro e decidi partilhar, pois achei que era bastante interessante. Assim, os rapazes ficam já informados e as moças poderão dizer se concordam ou não (desconfio que concordarão).

Here goes:

1 – Sabes, tenho andado a queixar-me muito ultimamente. Compreendo que me ignores.
2 – Isto foi giro. Quando é que os teus amigos voltam para vermos filmes pornográficos outra vez?
3 – A moça nova lá no escritório é stripper, convidei-a para vir cá jantar na Sexta.
4 – Comida de bar outra vez??? Espectáculo!
5 – Gostei deste casamento ainda mais que do nosso. A tua ex-namorada tem classe.
6 – Aquela rapariga está a usar a mesma roupa que eu. Fixe, vou lá falar com ela.
7 – Adoro ouvir histórias sobre as tuas antigas namoradas. Conta-me mais.
8 – Gosto muito mais de usar este corta-relva que o antigo. Que belo presente do Dia dos Namorados!
9 – Então deixamos o assento da sanita sempre para cima. Assim já não tens de te preocupar com o assunto.
10 – Querido, chega aqui. Olha para mim a beber um shot de Tequilha directamente do rabo da Vanessa. (WTF??? esta nem eu percebo)
11 – Estou tão contente com o meu novo penteado. Acho que nunca mais o vou mudar.
12 – Mmmm! Adoro quando a minha almofada fica com o cheiro dos teus cigarros e uísque.
13 – Caíste para o lado antes de lavares os dentes outra vez, meu tontinho.
14 – És muito mais inteligente que o meu pai.
15 – Se não vamos ter sexo, então tens de me deixar ver a SportTV.

Mas por que é que elas nunca dirão isto? Não percebo, sinceramente…

rman2287l